Publicado em 11/05/2017 às 19:09 - Autor:

revista 10

De vez em quando, somos bombardeadas com novas dietas que prometem uma desintoxicação completa do nosso corpo, emagrecimento rápido e, em teoria, uma vida mais saudável. Você acha que pode confiar na nova dieta da moda?

É fácil deixar-se levar por muitos padrões alimentares que sugerem um “detox” no corpo. Mas essa necessidade de se sentir “pura” para ser saudável muitas vezes não tem nada a ver com a realidade e pode se tornar uma obsessão perigosa. Uma coisa é reduzir a gordura e levar uma dieta rica em vitaminas, outra é ser capaz de filtrar as toxinas do corpo com uma dieta simples, você não acha?

O que é a dieta do fígado?

Nosso corpo tem a sua própria capacidade de autorregulação e elimina sozinho toxinas que podem ser prejudiciais – o encarregado de fazer tudo isso é o fígado. Por algum tempo, dietas milagrosas alegaram ser capazes de depurar este órgão complexo, como o método de Andreas Mortiz. O autor também é famoso pelo livro Cancro não é uma Doença, é um Mecanismo de Sobrevivência.

Pois bem. O que ele propôs é uma dieta capaz de limpar o fígado e a vesícula. Uma alimentação regrada que remove as toxinas hepáticas e pequenas pedras esverdeadas, afirmando que estas pedras são os próprios cálculos biliares alojados no fígado.

As pedras no fígado

Em primeiro lugar, você pode ter pedras no fígado? A resposta é sim. Elas são chamadas de cálculos biliares e podem ser prejudiciais para a função hepática. Podem ocorrer mais frequentemente em mulheres acima de 40 anos e são um risco maior àqueles que estão com sobrepeso. Mas, em princípio, se não há sintomas, não há nenhuma razão para pensar que você tem qualquer tipo de pedra prejudicial no fígado.

Qualquer tipo de dieta pode extrair esses cálculos? Desculpe, mas nós temos que dar um grande e forte NÃO. Segundo a nutricionista Marian Morazo, “se existem cálculos biliares, a única maneira de eliminá-los é por uma operação “. Então, por que há tantos seguidores da dieta de limpeza do fígado?

O jejum, sal e suco de maçã

O método depurativo Andreas Mortiz propõe uma dieta rigorosa durante 6 dias, com jejum e alimentos tais como sumo de maçã e um tipo de sal dissolvido na água. Ao longo dos primeiros dias, todas as gorduras alimentares são eliminadas, exceto o azeite, dando preferência por alimentos mais leves, tais como cereais, frutas, arroz ou legumes cozidos.

No final do sexto dia, é preciso parar de comer e beber apenas água! O que não parece saudável. De acordo com o método, na manhã seguinte, o organismo começa a expulsar pequenas pedras esverdeadas que, teoricamente, são os cálculos biliares do fígado.

Se é verdade que estas pedras são expelidas, é possível pensar: o método funciona! Mas um artigo científico publicado em 2005 na revista The Lancet mostrou que essas supostas pedras eram nada mais do que o resultado do que foi comido durante o dia anterior a dieta. Ué, então não funciona?

Dietas milagrosas não existem!

De acordo com a endocrinologista Begona Molina, “a dieta do fígado não tem nenhuma base científica, é mais como os velhos ‘expurgos’ de nossos avós e possui mais riscos do que benefícios para a saúde, sem contar que pode ser perigosa para algumas pessoas”. Em adição, a busca por curas milagrosas sem supervisão médica não valem o risco.

O melhor para ficar saudável e manter o peso que você deseja é comer de forma equilibrada. Ponto. Há muitas opções saudáveis para manter a linha e desfrutar de boas escolhas para sua saúde. E não fique na neura do detox – seu corpo sabe o que faz, e se não sabe, procure orientação médica. Tudo que você tem a fazer é comer de forma saudável e não abusar do álcool, além de fazer exercícios físicos regulares para que seus órgãos funcionem adequadamente, incluindo o seu fígado.

Antes de começar uma dieta, sempre consulte seu médico ou nutricionista. Não se deixe enganar por métodos fantasiosos.

Fonte: r7

Comentários