Destaque Política
Publicado em 24/04/2017 às 7:35 - Autor:

POLÍTICA : PDT repudia reformas e projeta eleições

Visita PDT.
Na foto: Carlos Soares, Dona Catine, Fabiano Mariano, Lucio Maluf, Sandro Bussola, Gerson Pinheiro e Kaio Ruiz

Thiago Navarro

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) de Bauru recebeu, na última semana, a visita de membros do Diretório Estadual. Eles estiveram na cidade na quarta-feira, para participar de uma audiência pública na Câmara Municipal, que reuniu diversas entidades contrárias às reformas Trabalhista e da Previdência, propostas pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB). Os pedetistas, inclusive, são oposição à atual gestão do País. Em âmbito nacional, a legenda já se posicionou contrariamente às reformas.

O tesoureiro do PDT paulista, Lúcio Maluf, e o coordenador estadual, Carlos Soares, foram recebidos em Bauru pelo presidente da Comissão Provisória no Município, o ex-vereador Fabiano Mariano, o secretário-geral Gérson Pinheiro e o vereador Sandro Bussola, atual presidente da Câmara Municipal. Eles estiveram no espaço Café com Política, do JC, acompanhados também dos militantes Kaio Ruiz (da Juventude) e Maria Helena Catini.

“Já fomos contrários à PEC que restringiu os gastos com Saúde e Educação por 20 anos. Isso aprisiona o País, impede o desenvolvimento. Agora, temos a questão previdenciária, que vai além de dizer a idade da aposentadoria. O mercado de trabalho precisa abrir vaga, anualmente, para o contingente jovem que está entrando, se formando. Há duas maneiras de isso ocorrer: pelo crescimento econômico ou pela aposentadoria dos que já estão com idade para tal”, frisa Maluf. “E a previdência é a maior responsável por colocar recursos no mercado consumidor”, aponta.

PROTAGONISMO

O dirigente diz que o partido prega uma mudança no panorama atual. “A indústria nacional está com muita dificuldade, fechando muitas vagas. No aspecto macroeconômico, estamos condenando o Brasil a um subdesenvolvimento perene. Para o mercado internacional, interessa que o nosso País siga como fornecedor de matéria-prima, sem valor agregado, e a gente importando os produtos mais caros, acabados. É necessário quebrar esse ciclo”, relata Lúcio Maluf.

“Temos as maiores reservas naturais e maior quantidade de terras agricultáveis. Em recursos naturais, somos imbatíveis, mas não conseguimos reverter isso da melhor maneira na economia”, cita. Para Maluf, o Brasil precisa cuidar melhor de seu patrimônio. “A Petrobras, que é a maior empresa do País, valia R$ 450 bilhões. Com toda essa crise, caiu para R$ 150 bilhões. Agora recuperou um pouco, mas está bem abaixo ainda do valor. Temos que combater a corrupção, mas punir quem é responsável pelos crimes, e não de uma forma que a gente praticamente inviabiliza uma empresa inteira, derrubando 2% do nosso PIB”, argumenta.

CRESCIMENTO

O PDT comemora o crescimento nas últimas eleições municipais, no ano passado. A sigla saltou de para 335 prefeitos em todo o País, sendo 13 no Estado de São Paulo. Em vereadores, a legenda tem 245 parlamentares em São Paulo e 3.756 no Brasil. “Somos hoje o sexto maior partido em número de prefeitos e o quarto com mais Diretórios Municipais consolidados, já em consonância com a lei, que exige que os partidos tenham diretórios e não comissões provisórias nos municípios”, esclarece Maluf.

Para as eleições de 2018, o PDT tem Ciro Gomes como candidato à Presidência da República e, em São Paulo, o nome mais cotado para concorrer a governador é o de Gabriel Chalita. “Vamos buscar também eleger mais deputados estaduais e federais, além de senadores. E o Ciro hoje é uma realidade, é um nome bem recebido, vemos isso em qualquer palestra que ele vai, em universidades, além de não estar em nenhum escândalo político. E com propostas para o País”, conclui Lúcio Maluf.

Fonte : .jcnet.com.br

 

Comentários