Destaque Política
Publicado em 09/07/2017 às 10:47 - Autor:

Partidos: nomes novos com políticos tradicionais

vac

Podemos e Avante, ex-PTN e PTdoB, buscam se renovar, mas sem abrir mão de parlamentares investigados e infiéis

RIO — Donos de mais de 1,5 milhão de votos obtidos nas eleições para a Câmara dos Deputados em 2014, PTN e PTdoB decidiram que mudar de nome pode melhorar o desempenho eleitoral e ajudar na reconexão com uma sociedade pouco interessada em política. Agora, o PTN chama-se Podemos. E o PTdoB está prestes a se tornar o Avante. Por trás da mudança de nome, porém, estão políticos tradicionais, parlamentares sob investigação e outros que têm o hábito de trocar de partidos.

Vaccarezza. Ex-PT, agora no Avante – O Globo / Givaldo Barbosa/16-6-2016

As duas legendas têm mais coisas em comum, além de serem partidos pequenos. Nos dois casos, os novos nomes têm como premissa deixar para trás a desgastada palavra partido, que virou sinônimo de velhas práticas políticas. E os presidentes do Podemos, deputada Renata Abreu (SP), e do futuro Avante, Luís Tibé (PTdoB-MG), veem com restrições a criação de uma cláusula de barreira para as próximas eleições. Essa regra obriga os partidos a conseguirem um percentual mínimo de votos válidos em um número mínimo de estados na disputa para a Câmara dos Deputados.

As legendas que não atingirem essa meta ficariam sem acesso a recursos do fundo partidário e tempo de TV e rádio na propaganda eleitoral. A proposta em análise na Câmara prevê uma meta de 2% dos votos válidos em pelo menos 14 estados. E há pressão para reduzir a barreira para 1,5% dos votos válidos em nove estados.

Enquanto não se aprova uma cláusula de desempenho, Podemos e Avante aproveitam para ampliar suas bancadas. O antigo PTN começou a legislatura com quatro deputados e agora já tem 15. O PTdoB, futuro Avante, pulou de um deputado para quatro.

Mudar de nome ou evitar a palavra partido não é uma novidade no Brasil. Em 2007 o PFL virou Democratas, e em 2015, a ex-senadora Marina Silva criou a Rede Sustentabilidade, que se autointitula um movimento.

FILIADOS VETERANOS NO CONGRESSO

Nesse processo de “engorda” dos novos partidos, o Podemos atraiu, na maior parte, deputados em primeiro mandato, um critério adotado pela presidente da legenda, Renata Abreu, que espera aumentar a bancada para 25 parlamentares na próxima janela de transferências.

Álvaro Dais. Ex-PSDB e Rede, agora no Podemos – Agência O Globo / Jorge William/29-5-2017

Porém, também chegaram à legenda o deputado Ademir Camilo (MG), que desde 1991 já passou por seis partidos, e Carlos Henrique Gaguim (TO), que, mesmo estreante na Câmara, já está na terceira legenda. O Podemos também filiou dois senadores. O ex-jogador Romário (RJ) e o senador Álvaro Dias (PR), que deve concorrer à Presidência pela nova “marca”.

Questionada se imporia critérios éticos para ingresso na legenda, Renata disse ser difícil estabelecer tal exigência:

— Fazer um trabalho preventivo é difícil, temos que tomar cuidado para não prejulgar. Temos que ter a cultura de reagir após o julgamento. Se for condenado, aí tem que afastar e expulsar.

A mudança de nome, contudo, não é um antídoto para renovar o partido. O presidente do futuro Avante, em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, será o ex-deputado e líder dos governos petistas na Câmara Cândido Vaccarezza. Também ingressou na legenda o deputado Silvio Costa (PTdoB-PE), que está no seu terceiro mandato.

— Eu saí do PT no começo de 2016, mas minhas diferenças com o partido começaram no fim do governo Lula. Eu só não saí antes porque precisava resolver umas questões da Lava-Jato. Eu fui citado nas investigações, mas os dois inquéritos que estavam sendo analisados pelo (juiz Sergio) Moro foram arquivados. Quando isso aconteceu, eu mudei de partido — contou Vaccarezza.

A crise econômica mundial impulsionou a criação de movimentos políticos que depois migraram para ação partidária eleitoral na Europa. É o caso do Podemos, na Espanha, e, mais recentemente, o Em Marcha!, do atual presidente francês Emmanuel Macron. Em comum, esses movimentos têm na sua gênese uma forma mais atual de se conectar à sociedade, utilizando ferramentas tecnológicas para ativar o interesse dos eleitores.

A presidente do Podemos disse que se inspirou nesses movimentos para refundar o PTN.

— Queríamos um nome que representasse um sentimento, por isso estávamos inspirados no Podemos da Espanha ou no slogan “yes, we can” (usado pelo ex-presidente dos EUA Barack Obama na eleição de 2008). Na pesquisa que fizemos, a palavra Podemos foi uma das mais citadas e decidimos por esse nome — conta Renata.

Fonte: Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/partidos-nomes-novos-com-politicos-tradicionais-21569529#ixzz4mLGWoxEz
stest

 

Comentários