Destaque Saúde
Publicado em 08/01/2018 às 9:50 - Autor:

JAGUARIÚNA: PSICÓLOGOS DE JAGUARIÚNA PREPARAM AÇÕES PARA LEMBRAR O “JANEIRO BRANCO”

Janeiro-Branco-2018-750x430

Atividades propostas são gratuitas, começarão com Caminhada saindo do Centro Cultural e acontecerão no Parque dos Lagos, envolvendo crianças, adolescentes, adultos e idosos.

Um grupo de Psicólogos com atuação em Jaguariúna está convidando a população a participar das atividades do “Janeiro Branco”, que acontecerão no dia 21 de janeiro (confira a programação completa clicando no cartaz ao lado). O evento tem o apoio da Prefeitura de Jaguariúna e o início será com uma Caminhada, a partir das 8h, saindo do Centro Cultural Zi Cavalcanti e terminando no Parque dos Lagos, uma das áreas verdes mais conhecidas e frequentadas da cidade, onde, até as 18h, acontecerão as demais atividades.

De acordo com as psicólogas clínicas Grace Baticioto Benato e Sônia Maria Rovaron Maião, que representam o grupo em Jaguariúna, a campanha reúne profissionais da Psicologia que buscam conscientizar a população sobre a importância de manter o cuidado com a saúde mental e emocional.

“Nossa proposta é alcançar o maior número de pessoas para convidá-las a refletir sobre a importância do cuidado com as emoções, participando das dinâmicas educativas que serão benéficas para toda família”, explicam as psicólogas.

As atividades propostas são totalmente gratuitas e envolvem crianças, adolescentes, adultos e idosos com rodas de conversa, abordando questões de âmbito da saúde mental, emocional e qualidade de vida, tudo com muita dedicação, carinho, leveza, ética e responsabilidade.

 “Quem cuida da mente, cuida da vida”

É com esta frase que a campanha chega a sua quinta edição, tendo sido idealizada pelo psicólogo Leonardo Abrahão. Segundo ele, a Campanha Janeiro Branco pretende estimular a criação de uma ‘cultura da saúde mental’ no mundo e, ao mesmo tempo, difundir um conceito ampliado de Saúde Mental/Saúde Emocional como um estado de equilíbrio individual e coletivo.

Sem isso, garante Abrahão, não é possível viver satisfatoriamente em sociedade. “Escolhemos o mês de janeiro para a mobilização devido à força cultural da simbologia atribuída à virada de ano, época em que as pessoas estão predispostas a pensar sobre as suas vidas em diversos aspectos. E com a cor branca queremos mostrar às pessoas que, como numa folha em branco, qualquer um pode escrever e reescrever a sua própria história, desenhando e redesenhando novas possibilidades perante a vida”, pontua o psicólogo.

Estudos da OMS (Organização Mundial de Saúde) e do Mistério da Saúde do Brasil indicam que nosso país tem experimentado um crescimento vertiginoso das problemáticas relativas à Saúde Mental/Saúde Emocional dos indivíduos e da sociedade como um todo.

Dados de 2017 da OMS apontam que a sociedade brasileira é a recordista latino-americana em casos de depressão, além de ser a campeã mundial em relação à ansiedade e a quarta colocada em crescimento das taxas de suicídio entre jovens da América Central e América do Sul.

São altos os índices de violência (em domicílios, no trânsito ou em escolas), criminalidade, suicídios, alcoolismo, drogadição, depressão e preconceitos, entre outros. Tudo isso coloca em risco o equilíbrio mental, emocional, comportamental e relacional dos indivíduos da nossa sociedade. Porém, de acordo com o psicólogo Leonardo Abrahão, apesar da necessidade evidente de colocar o assunto em pauta, muito pouco ainda se discute a respeito.

Cidades onde o “Janeiro Branco” é lei e onde as atividades fazem parte do calendário oficial do município ou do Estado:

Uberlândia (MG), Campinas (SP), São Paulo (SP), Sombrio (SC), Gramado (RS), Caxias do Sul (RS), Goiânia (GO), Itumbiara (GO), Cajazeiras (PB), Teresina (PI), Belo Horizonte (MG), Itaguaí (RJ), Maringá (PR), Natal (RN), Matriz de Camaragibe (AL), Maceió (AL), Rio Branco (AC), Vitória de Santo Antão (PE), Juiz de Fora (MG), Campo Grande (MS), Flores da Cunha (RS) e Manaus (AM). Já em Sergipe e Pernambuco a lei é estadual.

Reportagem: Aluízio Santana

Imagem: Divulgação/Internet – Movimento Janeiro Branco 2018

Comentários