Destaque Política
Publicado em 22/11/2017 às 6:02 - Autor:

ELEIÇÕES 2018: Doria recua do Planalto e mira governo de São Paulo

do10

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), recuou dos planos de se candidatar à Presidência e hoje tem o governo paulista como possibilidade mais plausível para 2018.

Aliados do tucano disseram que ele reconhece que o governador Geraldo Alckmin ganhou a dianteira na disputa interna no PSDB pela candidatura presidencial.

Em seu entorno, fala-se na necessidade de submergir para reaparecer em um ambiente mais favorável.

Nesse sentido, Doria está determinado a melhorar a sua imagem, desgastada com as viagens frequentes para fora da cidade que ele governa, além dos episódios da farinata, do desentendimento com Alberto Goldman, hoje presidente interino do PSDB, e dos problemas de zeladoria.

Quem esteve privadamente com Doria nos últimos dias afirmou que o prefeito se mostra sóbrio, reconhece que a onda de euforia em seu entorno não se sustentou e que não há hoje possibilidade de se candidatar a presidente.

Ele demonstrou considerar determinante obter o apoio de Alckmin para se lançar à sua sucessão, o que não é trivial, depois do desgaste que a relação dos dois sofreu.

À Folha, o prefeito não confirmou nem negou a intenção de disputar o governo estadual. Limitou-se a dizer que “não é o momento para tratar desse assunto”.

Seus aliados dizem que ele ainda alimenta o desejo de disputar a Presidência, mas tem ciência de que seria difícil conseguir legenda para isso. Ao mesmo tempo, é constantemente desaconselhado a deixar o partido e enfrentar Alckmin, que bancou sua entrada na política eleitoral, pelos danos de imagem que a atitude causaria.

Eventual eleição como governador de São Paulo seria, nessas condições, uma etapa necessária para chegar ao Palácio do Planalto.

SERRA

Em outra frente, interlocutores pressionam o prefeito paulistano a se lançar candidato a governador para desbancar o senador José Serra (SP), que já admitiu intenção de concorrer em 2018.

Serra vem dizendo a interlocutores que ainda pensa na Presidência, mas uma eventual candidatura estadual toma corpo, com apoio dentro e fora do PSDB.

Em um jantar há 15 dias com quase 30 deputados estaduais de diversos partidos, o senador paulista disse estar “pessoalmente disposto no ano que vem, se for o caso, a disputar a eleição”.

“Não tenho claro, não há elementos para poder definir exatamente [a qual cargo]”, emendou.

Há expectativa no entorno do prefeito paulistano de que a convenção nacional do PSDB, marcada para o dia 9 de dezembro, seja decisiva sobre o seu destino.

Se Alckmin sair de lá mais candidato a presidente do que entrou, dizem, Doria deverá se posicionar mais claramente sobre a disputa em São Paulo, possibilidade que antes era rechaçada energicamente no seu entorno.

ALCKMIN

Antes simpático a uma candidatura presidencial de Doria, Orlando Morando (PSDB), prefeito de São Bernardo do Campo (SP), é um dos que adotaram outro tom. Disse que “Alckmin não tem concorrente” no plano nacional. “Tenho convicção de que o Geraldo se consolidou.”

Com a mudança de cenário, Morando, cujo nome chegou a ser ventilado para concorrer ao governo paulista, disse que “não tem mais razão” para se colocar na disputa e estimulou Doria.

Para o prefeito de São Bernardo, apenas Serra e Doria teriam estatura para formar um bom arco de alianças no Estado e evitar uma pulverização “perigosa” na eleição.

“Os outros nomes colocados [Luiz Felipe d’Avila e Floriano Pesaro] são aventuras e oferecem o risco de desagregar a base aliada”, afirmou.

Auxiliares de Alckmin veem com cautela o arrefecimento de Doria. Dizem que seria mais um recuo estratégico para depois avançar e que, pelo histórico, o governador não estaria disposto a ajudar a viabilizar (nem a impedir) o prefeito como candidato à sua sucessão.

Além de não ser citado na Operação Lava Jato, o prefeito poderia usar a seu favor a proximidade que adquiriu com o presidente Michel Temer (PMDB), lembram aliados. Uma articulação entre PMDB, DEM e siglas do centrão poderiam isolar Alckmin no PSDB e fortalecer Doria.

Fonte: folha de São Paulo

Comentários