Brasil Destaque
Publicado em 22/06/2017 às 8:02 - Autor:

CAMPINAS: Campinas é a 2ª cidade do Estado e 1ª não capital no País mais conectada

he

Campinas é o município mais bem colocado no ranking brasileiro entre as não-capitais de Estado e a segunda cidade mais inteligente e conectada do Estado de São Paulo, segundo estudo envolvendo mais de 700 municípios de todo o País. No ranking Connected Smart Cities 2017, divulgado na quarta-feira, dia 21 de junho em evento na capital paulista, Campinas é destaque em duas categorias: 8º lugar em geral e 1º lugar no setor de Energia, entre cidades com mais de 500 mil habitantes. O vice-prefeito Henrique Magalhães Teixeira representou a Administração na cerimônia de premiação realizada no Centro de Convenções Frei Caneca.

Pela análise Connected Smart Cities 2017, realizada pela Urban Systems, empresa especializada em inteligência de mercado, em parceria com a Sator, organizadora do evento, Campinas é a primeira não-capital de Estado no ranking geral nacional, tendo subido duas posições em relação a 2016. Também avançou 37 posições em relação ao estudo do ano passado na categoria Urbanismo, figurando agora entre as dez cidades com melhor projeto urbanístico do Brasil.

Campinas estava no décimo lugar e em um ano foi para o oitavo lugar. Creio que estamos no caminho certo e vamos cada vez mais trabalhar nesse sentido. O caminho está traçado e precisamos cada vez mais nos engajar e percorrer esse trajeto para tornar a cidade mais inteligente e mais humana”, destacou o vice-prefeito ao receber o prêmio da Plataforma Connected Smart Cities.

As dez primeiras posições do ranking nacional de 2017 de cidades inteligentes e conectadas foram conquistadas, indo da primeiro à décima colocação, por São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória, Florianópolis, Brasília, Campinas, São Caetano do Sul e Recife.

O Connected Smart Cities é o mais importante levantamento sobre cidades inteligentes e conectadas do País e está em sua terceira edição anual. Analisa onze setores de mais de 700 municípios, a partir de 70 indicadores. Os setores analisados são: Mobilidade, Urbanismo, Tecnologia e Inovação, Empreendedorismo, Governança, Educação, Energia, Meio Ambiente, Saúde, Segurança e Economia. A plataforma é um projeto que envolve empresas, entidades e governos e tem por missão encontrar o DNA de inovação para inteligentes e conectadas umas com as outras, sejam elas pequenas ou megacidades. O ranking classifica as cidades por porte: com mais de 500 mil habitantes; de 100 e 500 mil habitantes; com até 100 mil habitantes.

Cidades inteligentes

Existem diversos conceitos de cidades inteligentes, desde os apoiados prioritariamente em tecnologia até aqueles que estão mais relacionados ao meio ambiente e sustentabilidade. O da Urban Systems considera conectividade como a relação entre os onze setores analisados para elaborar o ranking Connected Smart Cities. Ou seja, o desenvolvimento só é atingido quando os agentes da cidade compreendem a capacidade de conexão entre todos os eixos.

O vice-prefeito Henrique Magalhães Teixeira destacou a importância do prêmio: “é um reconhecimento do trabalho que tem sido feito na cidade, no governo. Campinas é uma não-capital no meio de tantas capitais, é um polo tecnológico, uma cidade pujante que atrai os olhares de diversos empreendedores e também tem em si o espírito da inovação. Inovação não é a tecnologia pela tecnologia. Inovação é a tecnologia onde ela vai ser útil, vai aproximar o cidadão dos serviços públicos, vai facilitar, de fato, a vida do cidadão. E para isso é preciso ter uma administração focada nas necessidades e nas potencialidades da cidade.”

Exemplo disso é o fato de que investimentos em saneamento estão atrelados não apenas aos ganhos ambientais, mas à saúde da população, reduzindo gastos e necessidade de atendimentos de saúde básica e, consequentemente, impactando em questões de governança e economia. Desta forma, o ranking identifica fatores relevantes para o crescimento sustentável dos municípios e aponta as cidades brasileiras com maior potencial de desenvolvimento.

Baseado nesses critérios, a escolha de Campinas como 1º lugar no setor de energia, entre as cidades com mais de 500 mil habitantes, leva em consideração: produção de energias de fontes renováveis, do tipo usina fotovoltaica, biomassa e eólica; as áreas de distribuição de energia elétrica com menores perdas; oferta de energia elétrica nos domicílios; disponibilidade de iluminação pública nas áreas urbanas; e a quantidade de domicílios que utilizam energia elétrica de fontes diferentes da companhia distribuidora.

 Fonte: PMC

Comentários